sábado, 5 de novembro de 2016

Silêncio!


O silêncio é um fenômeno;
É uma linha fina, eterna,
Percorre todo o universo.
Não teve início e nem é finito.
Até entre os meios mais barulhentos, 
Há sobreposições entre silêncios e ruídos.
O silêncio, na verdade, é a ausência do som?
Ou o som é a ausência do silêncio?

O som é uma vibração; o som é onda,
E o silêncio? 
Entre ruídos e silêncios; sim e não; altos e baixos;
Tudo, nada, Deus e diabo:
Som e silêncio se mesclam, não se definem.

Fique em silêncio! Mas ouvirás o ar que entra e sai de ti;
Não faça barulho! E ouvirás a vida:
O coração pulsando, em intervalos.
Uma forte, seguida de uma fraca batida;
Tudo isso num perfeito embalo.

Segundo a ciência, nada existia antes da explosão.
Somente silêncio e escuridão.

Muito silêncio ensurdece, enlouquece.
Também inspira, instiga, estremece.

A noite cai, o silêncio brota.
A manhã brilha, o som se nota.

A Lua, é muda, contudo misteriosa.
O Sol, expressivo, porém barulhento.
A Lua, soa como uma orquestra esplendorosa,
O Sol, um ruído "esmerilhento".
O silêncio é monótono, fúnebre.
O som é vida, é movimento.

Ouço vozes, ouço lamentos, improvisos;
Sons de instrumentos, de festas, risos;

Escuto alegria e também a tristeza:
O gargalhada do plebeu e o choro da princesa.

O que vem com essa felicidade?
Seria o som da maldade?

E com o silêncio? O que o segue?
Seria o amor que se consegue?

Os maiores diálogos vêm do "silêncio";
As maiores paixões, o sexo.
Apesar do suspiro, do gemido e sussurros,
O silêncio ainda faz nexo.

Quando querem nos calar, em opressão;
O próprio silêncio é a melhor repressão.

O som tem diversas formas de expressão,
E possui vários sinônimos;
O silêncio não.
E confronta diretamente com seu antônimo.

O silêncio existe, porém não.
É muito louco entendê-lo, ouvi-lo.
Quer estando em silêncio ou não.
Assim como ele está presente,
Desde o sempre, 
Ou, até o fim;
Existe um "silêncio",
Produzido por você e por mim,

Na religião, Deus, em silêncio, se comunica;
Calado, pede-se em prece; por Ele se suplica.
Cada um sabe senti-lo, usá-lo.
Quando cantamos, ou quando em louvação.

Antes de assoviarmos, de balbuciarmos;
Antes de qualquer grito, qualquer explosão,
Há um silêncio que, nos faz, da vida, termos noção.
Ouça esse silêncio, é possível!
É a mais pura e melhor sensação.

3 comentários: