terça-feira, 20 de dezembro de 2016

São quarto...


O prazer,
Sensação que se deve esquecer.
É baixa: é o “problema”; é o “querer”, é o “ter”.

A felicidade,
Muda conforme a personalidade.
Algo passageiro, sem novidade.

A alegria,
Um estado melhor, eu diria.
Pode durar poucos dias.

A plenitude.
(Ah, a plenitude!)
Detém a todas as virtudes.
É a soma da razão com a emoção, resultando a quietude.
É o pensamento correto antes de qualquer atitude.

A plenitude é tudo:
Não é nem ser, nem estar.
É sim receber e não buscar.
Buscar algo é "esforço", é "querer".
Esforçar-se é: a paz não receber.
Não faça esforços, apenas seja.
Abra os olhos, apenas veja.
Sinta-se.
Permita-se.
Não corra atrás,

Fique parado, em paz.
Tudo chegará a ti,
O amigo para a caminhada.
O amor que lhe fará sorrir,
Ou ambos na mesma jornada.

O que não vier tudo bem.
Nada lhe afetará,
A plenitude o fará zen,
O amor próprio não perecerá.

Portanto não se esforce, não se desgaste;
Seja leve, esteja consigo, não se arraste.

Caminhe contra o revés,
Deixe que se torne uma diversão.
Aí sim, sinta o mundo aos seus pés,
E viva sem medo e nem ilusão.

Um comentário: