segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Deixar voar, libertar os sonhos

Há cercas, arames farpados,
Esse perculso lado a lado
Uma ancora, forte raiz
Um peso que não condiz
A ladeira molhada
A laje vigiada
É o morro todo
Não é chuva
São tristes lágrimas
O trabalhador
A molecada
Dona de casa
É paçoca, ou cocada?
Coca da vovó?
Ou apenas pó?
O que vende mais:
O bananada ou sacolé?
Qualé?
O luxo aqui carece
Digna é a nossa labuta
Era dia, agora anoitece
Era recatada agora é puta
Tem-se dignidade
O respeito à divindade
Pobre, contudo bem feliz
Em busca dessa tal liberdade
Beber e não ser alcoólatra
Ser religioso e não ficar fanático
Não se torne refém
Nem de si mesmo
Nem de ninguém
Livre-se de tudo
Ate de seu pensamento
Tente em nada pensar
(Fácil não será)
E perceba o livramento
No alto do morro estás
O ponto mais alto
Pássaros
Nuvens
Deus
Acima Dele talvez a liberdade
Talvez o fanatismo
(Não se sabe)
De repente a vontade
De repente o abismo
Melhor da laje descer
Na ladeira correr
Voar baixo
Pois queda alta leva a morrer
Isso não seria voar
Nem sonhos libertar
Correntes para si trazer
Ancoras, raízes
Arames, cercas
Desprazer
Desgraça
Pobreza
Tristeza
Enfim
Liberte-se
Viva até o fim
Seja o senhor de ti
Voe sem asas
Corra sem pernas
O pensamento livre é
Viaje nessa estrada eterna

Nenhum comentário:

Postar um comentário