quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Anjo...


Um anjo surgiu em minha canção
Com notas sutis de encantamento
Fez florescer no meu coração
Melodias de paixão e fomento

Me inspirou em todos os sentidos
Fez em mim brotar o dom da poesia
Alterou-me todos os sentidos
Afastando o mal e a melancolia

Seus negros longos cabelos
Ao meu rosto, tocaram suavemente
O seu sorriso lindo e singelo
Conquistou-me extraordinariamente

Uma escultura viva, celestial
Educa, acolhe, cultiva, emociona
Seu jeito natural é tão sensual
De todos as paixões ela é a dona

Não voa, somente com uma asa, um anjo
É necessário se completar uma dualidade
Com elegância vai obtendo esse arranjo
Uma asa se chama amor e a outra caridade

4 comentários:

  1. Como sempre, arrasando!

    ResponderExcluir
  2. Silvio... Chorei muito quando li e ao reler ainda fico sem fôlego.
    Lindo poema.

    ResponderExcluir
  3. Nossa esse é a minha cara, pena que os cabelos estão vermelhos!!
    :)
    Lindoooo!!

    ResponderExcluir